quinta-feira, 10 de abril de 2008

Borboletas invisíveis


Primeiro chegaram a medo, como se não quisessem interromper aqueles momentos de encanto.
Pequenas pérolas húmidas rolavam envergonhadas pelos vidros embaciados daquele carro perdido entre a brisa do oceano e a carícia do vento.
Nenhum dos dois sabia como quebrar o peso do silêncio que entre eles levantou pesadas barreiras. Perdidos em lembranças comuns escolheram estradas diferentes para as reviver.
Aquele recanto onde os beijos tinham sabor a aventura, onde as palavras ganhavam as cores dos sentimentos e onde o toque dos seus dedos emaranhados descobriam paixões por inventar perdera todo o encantamento, todo o mistério das noites quentes de verão.
Ela observou-o pelo canto do olho à espera de uma palavra que a agasalhasse do frio tremor que lhe invadiu o corpo.
Ele respirou-lhe o ar como quem aguarda o aroma do prazer a inebriar os sentidos, até o fazer esquecer-se de si, perdido no perfume dos seus cabelos.
Juntos percorreram trilhos onde mais ninguém tinha ousado ir, navegantes de continentes que criaram entre os risos cansados.

Apanhou a chuva dois suspiros de desalento.
Perguntas que o passado transportou até ao presente e que os obrigou a perguntarem-se onde é que se tinham abandonado um ao outro, onde é que se tornaram estranhos nos sonhos que antes partilhavam.
Ele recuou até aos silêncios em que ela adormecia e acordava.
Ela estremeceu com as ausências e incompreensões com que ele a sufocava.
E nessa voz de medo que nunca chegaram a ouvir, abriram um abismo que não souberam reconhecer.
Um dia ela esqueceu-se de que cor eram os seus olhos quando o amava com a intensidade de outrora. E, dias depois, ele enrugou a testa, porque não se lembrava que os seus lábios eram frescos como a água da fonte que o despertava vezes sem conta, a arder em desejo.
Esconderam a dor fugindo um do outro e continuaram a esquecer-se…continuaram os dias iguais à sombra do que foram, até que o acaso os levou até à praia onde sempre se amaram.
Ergueram-se os fantasmas, algas de medo enrolaram-se nos seus sentimentos e assustaram-se pois tinham desaprendido a amar.
Cansou-se ela dos silêncios culpados, abriu a porta e fugiu para a areia molhada. A fina camisa colou-se ao corpo cansado e os seios subiam e desciam no peito arfante.
Borboletas invisíveis dançavam no corpo liberto e ela acompanhava aquele ritmo de salsa rodopiando vezes sem conta sob si mesmo.
Ele olhava-a sem entender, até que se lembrou que há muitos anos atrás adorava vê-la dançar, antes de a abraçar, sôfrego por aquele corpo em música…
…sentia-a insana naquela viagem que a afastou até ao mar…faltava-lhe a coragem para guiar os seus passos até à água fria que desperta os sentimentos!

148 comentários:

pin gente disse...

esqueceram-se de alimentar o amor e o verbo amar... esqueceram-se de dar e de se dar...

beijo

wind disse...

Excelente conto! Parabéns:)
Bjs

Mocho-Real disse...

Um belo pôr-do-sol com as aves em voo, num muito agradável conto de reencontro desejado à beira-mar.

Abraço.
Jorge P.G.

Francis disse...

Olá Carla;
Obrigado pela visita ao meu "cantinho".
Retribuo, e ainda bem que o faço, descobri no teu "cantinho" um mundo de emoções, um mundo novo que não o sendo, estava adormecido. Com este teu post fizeste-me relembrar emoções e sentires que pensava estarem completamente mortos em, mim, mas descobri que afinal estavam apenas adormecidos.
Há vivência que pela sua semelhança diria que são "dejá vú", é o caso.
Que bom descobrir-te, (descobrires-me).
Adorei!

Rocket disse...

Como as coisas mudam, dentro das mesmas coisas, cercadas pelas mesmas coisas...

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Carla, belo pôr-do-sol...Belo reencontro muito desejado, gostei!
Beijos

Rei da Lã disse...

Curioso!
Ainda ontem cozinhei um ensopado de borboletas.

NAELA disse...

Linda um belo texto que retrata que todos os re-encontros trazem consigo um misto de emoções!
As nossas atitudes, gestos e olhares são escritas lidas ao vento!
Beijo

poetaeusou . . . disse...

*
prosa,
cativante,
em que cativo fico,
no sublime cativeiro de te ler,
escravo me senti,
escravo ficarei,
sempre lerei,
tudo que venha de ti,
,
conchinhas
,
*

Carla disse...

pin gente
e quantas vezes ao esquecermo-nos disso não nos esquecemos de viver?
beijos

Carla disse...

wind
obrigada
bjs

Carla disse...

mocho-real
o mar é sempre alimento para palavras, imagens e sentimentos
bjs

Nilson Barcelli disse...

A partir de uma situação muito comum, conseguiste fazer um texto excelente.
O trecho "E nessa voz de medo que nunca chegaram a ouvir, abriram um abismo que não souberam reconhecer", identifica com clareza o que se passa em muitos casos, cujos parceiros não são capazes de equacionar os contornos do problema para tentar resolvê-lo.

Bom resto de semana, beijinhos.

Carla disse...

francis
salutar estas descobertas/partilhas...
também gostei muito do teu espaço
volta sempre
bjs

Carla disse...

rocket
o problema é que há mudanças assustadoramente tristes, principalmente as que se mudam pela rotina!
beijos

Carla disse...

Chana
neste caso era mais nascer do sol, gosto especialmente do brilho do sol ao nascer...obrigada
bjs

Carla disse...

rei da lã
prefiro ensopado de borrego, mas só porque nunca provei de borboletas
bjs

Carla disse...

naela
mas há reencontros que fazem renascer dores passadas
bjs

Carla disse...

Nilson
o certo é que nem sempre é fácil detectar certos problemas, ou tras vezes é mais fácil ignorá-los...o maior problema é o resultado final, não é?
beijos

Xisko the kid disse...

desalinha-me, bem preciso de uma viagem insana...

(Un)Hapiness disse...

a mudança pode sempre ser bem vista...há aspectos negativos que podem estar na base, ms há que saber ver o lado bom de tudo..difícil difícil.

o esquecimento, esse sim, é um sentimento triste...

kiss

Carla disse...

Xisko the kid
não és o único a quem a insanidade faz bem
beijos bem desalinhados

Carla disse...

poetaeusou
apenas obrigada por me leres e gostares
beijos em desalinho

Carla disse...

un (hapiness)
o esquecimento e a mágoa
beijos

ki-colado disse...

Todos os nuances do amor são sentidos que nos levam para outros ares da compreensão. Bom viver as emoções dos encontros, e dos desencontros à dois. Inspirador...

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Carla, excelente texto!
Parabéns!
Beijinhos de carinho,
Fernandinha

Carla disse...

ki-colado
são emoções fortes
obrigada pela visita

Carla disse...

Fernanda &poemas
obrigada
beijos

xanata disse...

adorei o texto, tao romantico, tao comovente como envolvente.. :)
fantastico..

anamorgana disse...

O AMOR ALIMENTASE DE AMOR SE NAO ACABA E DOI. EU GOSTO MUITO DE LER O QUE ESCREVE MESMO MUITO, PIDO PERDAO POR OS ERROS.
OBRIGADO POR O SEU COMENTÁRIO NO MEU BLOG, SIN ESE 23 DE NOVEMBRO FOI MAU MÁS NAO FOY O PIOR DA MINHA VIDA. BEIJOS
anamorgana

Sérgio Figueiredo disse...

Carla,

Bonito post.
Rico em palavras, muitas, que expressam um amor esquecido...O Amor esqueçe-se? Pois é, tanta coisa bonita faziam, sentiam, era o amor desejado e vivido. Pausa...esquecimento, reviver novamente, mas o jeito...o fulgor, o desejo, a incerteza.

Óptimo post, bonita foto.

Beijo

Pena disse...

Terna e doce Amiga:
Uma prosa poética em que se vivem emoções, instantes e desejos insatisfeitos.
Escrita com um admirável e sincero talento na descoberta de um crédito descredibilizado.
Escreve com o coração pondo nas palavras imensos significados visíveis e sentidos pela realidade existente nas pessoas que sonham incompletos sonhos.
Brilhante e poderosa escrita expressa num texto que só se dá conta do fim quando ele surge.
Uma existência entre muitas vidas.
Vidas encantadas e desencantadas.
Parabéns! Concebe um sentimento pleno de vivência. Acontece nas pessoas.
Real ou sonhado.
Bj de maravilhoso sentir pelo talento que evidencia na humanidade descrita com veracidade e encantamento

pena

Mãe Galinha disse...

Muito bom, parabéns :-)

Gerlane disse...

A mudança dos sentimentos.Sempre a provocar uma sensação de vazio deixado por algo que se perdeu.

Muito bom o teu texto!

Beijos pra ti!

um Ar de disse...

Como eu gosto de contos, nem te conto!...

Então, quando parecem conduzir-nos a um final que não se concretiza, como se pudessem ter tantos outros fins possíveis e impossíveis, apetece ler e reler...

Adorei.

[BEIJO]

Maria P. disse...

Lindo...

Beijinhos*

Maria disse...

Há sentimentos que têm de ser regados e alimentados para poderem sobreviver. a amizade se não for regada, murcha. O amor se não for alimentado, morre.
Entretanto, pensamos que vivemos.....

Um beijo

NunoSioux disse...

"Ele recuou até aos silêncios em que ela adormecia e acordava.
Ela estremeceu com as ausências e incompreensões com que ele a sufocava."

Lindo 100 palavras!!!!!

Beijo

Kok disse...

Estas "coisas" dos amores são assim como que um pão que se amassa sem esquecer o fermento (da paixão)!?
Deixando-se levedar indo depois ao forno, coze e fica óptimo!
Se fica só a levedar e nunca mais vai para o forno, acaba invariavelmente por secar e ficar sem préstimo!
Beijosss com amizade.

lua prateada disse...

Pois é o amor tem de ser alimentado dia após dia...
A felicidade é feita de pequenos nadas pequenos gestos de amor um beijo um sorriso,um olhar simpático ou um elogio sincero.Por isso aqui passei deixando tudo isso para teu fim de semana.
Beijinho prateado
SOL

Carla disse...

anamorgana
eu é que agradeço a tua presença e as tuas palavras e principalmente o esforço por escreveres em português...
volta sempre, bom fim de semana
beijinhos

Carla disse...

Sérgio Figueiredo
na maior partes da vezes, reviver é apenas uma tentativa de trazer para o presente sentimentos de um passado bastante agradável, infelizmente, na maior parte dos casos, o resultado não é o melhor
bom fim de semana
beijos

Carla disse...

Pena, meu sincero amigo
mais uma vez emocionada pelas suas palavras...e pela visão extraordinária que tem sobre aquilo que escrevo, pois assim é, as palavras têm "imensos significados visíveis e sentidos"
bom fim de semana para si e para os seus
beijinhos

Carla disse...

Gerlane
normalmente este vazio deixa um intenso sabor amargo
beijos

Carla disse...

Maria P.
obrigada
bom fim de semana
beijos

Carla disse...

NunoSioux
palavras que falam de emoções...emoções que se desnudam nas palavras
bom fim de semana
beijos

Carla disse...

Elsa
sei perfeitamente o que isso é
obrigada
beijos

Carla disse...

xanata
ainda bem que foi envolvente
bjs

Carla disse...

Um ar de
contos que conto com prazer...tenho o meu fim, mas quis deixar ligeiramente em aberto para não defraudar a sensibilidade de quem o lê
beijos

Carla disse...

Maria
é como tudo na vida, sem alimento a morte acontece...os sentimentos não são excepção
bom fim de semana
bjs

Carla disse...

Kok
adorei a tua comparação...até porque gosto muito de pão
bom fim de semana
beijinhos

Carla disse...

lua prateada
e eu só posso agradecer toda a tua simpatia e retribuir toda a tua oferta
bom fim de semana
beijos sinceros

Spectrum disse...

Talvez se tenham esquecido do principal: alimentar os afectos, amiga. Acho que todos nós tomamos como certo, a dada altura, o que antes foi encanto. Onde se quebram os encantos? Em que ponto exacto deixamos de sentir? O que não fizemos?
Um beijo e bom fim-de-semana

Carla disse...

Spectrum
o teu talvez é para mim uma certeza...adorei a tua frase: "Onde se quebram os encantos?"
Quem dera saber, não é amigo?
já agora espero que o teu Closed seja temporário
bom fim de semana
beijos

cassamia disse...

quando o silencio se torna um ninho aconchegante é porque amobos estão onde devem estar. sempre que o silencio diz: estou aqui, é porque um deles não está onde devia estar...
bom fim de semana para ti também carla :)

Carla disse...

cassamia
resumiste muito bem
bom fim de semana
bjs

Suave Toque disse...

As páginas da vida são
cheias de surpresas...
Há capítulos de tristeza,
mas também de alegrias,
Há mistérios e fantasias,
Sofrimentos e decepções.
Por isso, não rasgue
páginas e nem solte capítulos,
Não se apresse a
descobrir os mistérios.
Não perca as esperanças,
Pois muitos são os finais felizes.
E nunca se esqueça do principal:
No livro da Vida,
O Autor é Você!

Desejo-te um excelente final de semana, cheio de alegrias...

Grande beijo de carinho

Elcia Belluci

Carla disse...

Elcia
tens toda a razão
bom fim de semana
bjs

Marta disse...

O tempo não é invisível...
Sente-se profundamente...
Texto intenso...
Gostei muito; obrigada pela visita aos meus blogs.
Até já???
Beijos e abraços
Marta

Carla disse...

Marta
sente-se mesmo com bastante intensidade
bom fim de semana
bjs

© efeneto disse...

Sento-me nesta cadeira
No meio da sala
No meio do nada

Penso nos passos que dou contra o tempo
Os olhos que baixo por causa do vento

Vento que me toma os sonhos cálidos e os pinta de vermelho
Sangram lágrimas sem choro
Sem voz
Murmuram segredos

Desenham-se-me no rosto esses esboços do silêncio
Esses que apago e esborrato
E de novo se pintam em telas contra a minha vontade

Rasgo as folhas de papel em branco
Queimo os lápis de madeira que insinuam escravinhices

Dos meus não ditos não há-de falar
Deixem-me sentir, aqui, a dor vermelha de não saber amar
Essa condição de ignorante eterno
Para sempre um boémio nos lençóis alheios...
Frios, gélidos...
Sem sabor nem cheiro...
Ausentes na minha vontade...
Amargos

Aquecem apenas esta minha pele que arrefece

Pensar que um dia me podia aquecer no leito dessas desconhecidas sem rosto...


Que distraído sou...
Pois estava-me a esquecer de desejar
Um fim-de-semana com muita amizade dentro

Carla disse...

efeneto
com tão belas palavras resta-me admirá-las e desejar-lhe bom fim de semana

Gonçalo T. Almeida disse...

Um conto muito inspirado Carla. A fotografia que o ilustra está belissíma!

☆ tenshicris ☆ disse...

Obrigado pela visita :)

Gostei muito do teu blog assim como akilo que escreves...

vou te add:)

Beijinhos e bom fim de semana

Carla disse...

Gonçalo T. Almeida
duplamente obrigada
bom fim de semana

Carla disse...

☆ tenshicris ☆
obrigada
bom fim de semana
bjs

mateo disse...

Encantas-me!
Como expressas bem a contenção. E o desalento. E...

© Piedade Araújo Sol disse...

Um belissimo conto.

Gostei!

beij

Carla disse...

e...há tanta coisa diícil
obrigada bom fim de semana
bjs

Carla disse...

Piedade Araújo Sol
obigada
bom fim de semana
bjs

marta disse...

sabes Amiga

só mesmo pessoas excepcionais conseguem recomeçar, continuando.

É mais fácil recomeçar de novo,
por isso tantos desistem a meio.


Beijinho e bom fim de semana

Cláudia Pinho disse...

adorei! está fantástico

Mario Rodrigues disse...

Lindo, amiguinha.

"Nenhum caminho é longo demais
quando um amigo nos acompanha"

Um optimo fim de semana

Abraço amigo

Mario Rodrigues

Carla disse...

Marta
acredita que sei, amiga
hoje mais do que nunca
beijos e orbigada pela tua presença
bom fim de semana

Carla disse...

Cláudia Pinho
obrigada pela tua sensibilidade
bom fim de semana

Carla disse...

Mário Rodrigues
plenas de sabedoria as tuas palavras
bom fim de semana

lgbolhares disse...

Belíssimo! Sem mais...

Beijinho

Outonodesconhecido disse...

faltava-lhe a coragem para guiar os seus passos até à água fria que desperta os sentimentos!
ás vezes é preciso mesmo um banho de água fria...
bom fim de semana

Mocho-Real disse...

Voltei a gostar.

Deixo um abraço e desejos de um óptimo fim-de-semana.

Jorge P.G.

Fatyly disse...

Mais um conto onde o FIM fica à mercê do leitor!

O encontro silencioso foi no carro, no "mar onde se amaram" mas quantas uniões de fachada não se mantêm por "borboletas invisiveis" onde pairam sobre monólogos ou até na indiferença?

É dificil e por mim falo, mas posso dizer de cabeça erguida... abençoados os que "por mais que amem" derrubam a "mesa", dão a volta por cima e quando dão por ela dizem com convicção "há borboletas invisiveis ainda mais bonitas e preenchentes e nas quais nunca tinha reparado".

Não sei se me fiz entender e digo-te que este teu conto tocou-me muito!

Beijos sinceros e um bom domingo!

jo ra tone disse...

Que bom seria recomeçar de novo
O desejo seria mais intenso, diferente
Após longos tempos, seria como o vinho do porto
Bom fim de semana

fotógrafa disse...

“Um cobarde é incapaz de demonstrar amor, isso é previlégio dos corajosos”.
(Gandhi)
Hummm…pensamento interessante…
Passando para desejar um bom domingo
Abraço

anamarta disse...

Adorei o conto é lindo! emocionante reencontro! e um pôr- do - sol fabuloso!
beijos

Auréola Branca disse...

O que era amor?
Pra ela, a maneira mais dolorosa de viver. Por que ele saíra da sua vida? Por que, no seu conto de fadas, ele recusara-se a ser o príncipe?
Ela amava, mas não acreditara no destino.
E chorava...

Carla disse...

Outono Desconhecido
umbanho de água fria que ajude a acordar do marasmo e a quebrar a rotina
boa estadia na Invicta
bom fim de semana

Carla disse...

jo ra tone
só que nem sempre é possível, mesmo que se queira
bom fim de semana

Carla disse...

lgbolhares
obrigada...
bjs

Carla disse...

Mocho-Real
e que continues a gostar...
bom fim de semana
bjs

Carla disse...

Fatyly
não só te fizeste entender, como me ajudaste no entendimento que eu preciso neste momento da minha vida.
E tens toda a razão se quisermos as borboletas podem tornar-se visíveis!
beijinhos amiga, por tudo
um domingo óptimo

Carla disse...

fotógrafa
...e coragem não nos falta (eheheeheh)
bom domingo
beijinhos

Carla disse...

anamarta
obrigada pelo teu olhar
bom domingo
beijos

Carla disse...

Auréol Branca
acho que, acima de tudo, a partir de determinada altura desencontraram-se na visão que tinham do que era o amor...e dificilmente haveria um ponto de (re)encontro...
bom domingo
beijinhos

Um Momento disse...

Arrepiada...
Cada palavra ditada... cada sentimento que esqueceram...uma vida abandonada num abismo em que se perderam...
O amor fala sempre mais alto...
Não se conseguem guiar os passos...mas ele grita...e em memórias se aconchega...até um dia...a Luz se ver...se sentir... ou no derradeiro abismo...cair...e de lá mais não sair...

Carla ...Muito Lindo!

Adorei ...mesmo!

Bom Domingo te desejo

Beijo nostálgico

(*)

anad disse...

Excelente prosa. Gostei muito e também das imagens. Por favor continue.
Anad

SAM disse...

Carla,

Obrigada pela visita! Fiquei muito feliz.

Adorei seu texto.É é assim que ocorre. Mas, através da leitura deste belo texto deu-nos a esperança de um resgate amoroso, ou uma saída para os que não tentaram, ainda.


Beijos


* Amo borboletas

KNOPPIX disse...

Belo, belo, belo este conto, em que as palavras surgem carregadas de imagens e a sua leitura surge quase com um filme envolto numa neblina mística que encanta e quase não nos atrevemos a respirar para não perder cada pormenor da tua prosa tão sensorial, tão vívida...
Bela descrição de quando o amor se esgota, quando surgem os silêncios incómodos entre os amantes, o acordar do sonho que era a exaltação do desejo de dois corpos que se entregavam um ao outro sem limites, sem tabús...

Adorei, querida Carla :)

Beijinhos e bom domingo.

Black Kittie disse...

As vezes precisamos de repensar, parar e acordar, recomeçar...

Adorei o texto, bjs

muguet disse...

minha querida carla, há coisas que não acontecem por acaso, e coincidências não há...

tenho andado com mil coisas para fazer, sem tempo para responder sequer aos coments que me deixam, aqueles coments que me aquecem e me dão força, tu sabes bem o que quero dizer... não tenho conseguido saltitar de blog em blog, como adoro fazer para matar saudades dos amigos :D... enfim, mil e uma coisas para fazer.
mas hoje consegui um tempinho, o suficiente para me deixar vir aqui...e o que encontro?! eu!!
a minha vida!!
podias ter escrito sobre mim este teu texto lindíssimo.

faz precisamente hoje um ano que me separei, que dei esse passo, tão temido e tao desejado...

não há coincidências... hoje... "lembranças comuns escolheram estradas diferentes"

disseste que passavas para levar um momento também teu... minha querida... como eu levaria todo este teu texto, todo ele eu também...
fiquei sem palavras, sem mais para as dizer, porque as tuas...dizem tudo!!

beijo grande, enorme, por me saberes escrever mesmo sem o saberes...

(engraçado o sabor que descobri aqui no teu cantinho, é mesmo único e especial, até porque me lembra também momentos em que fui muito feliz...)

Cleopatra disse...

Sabes querida...a maior parte dos casais..prefere seguir sempre o caminho mais fácil...este é sem dúvida o mais difícil...e que só o segue quem gosta de ir à luta...
Por isso tanta coisa se perde...
Um beijinho e mais uma vez adorei!!
Cleo

herético disse...

muito bem escrito. de uma sensualidade discreta e delicada.

gostei muito

Cöllyßry disse...

No por do Sol...Enternece num conto onde o amor se revela, o encanto do Teu Ser...

Doce meu beijo

Oliver Pickwick disse...

Nada é para sempre. E o "porquê" do desamor é tão inexplicável como borboletas invisíveis. Ótimo conto.
Um beijo!

Pandora disse...

Olá Carla,

Adorei ler este texto.
Beijo

Rey disse...

^^

Tuas palavras agora fazem parte de meu pensamento.

Kisses

Å®t Øf £övë disse...

Carla,
A vida não pára, e está sempre em evolução constante. Por isso é bem possível duas pessoas que trilhavam o mesmo caminho perderem-se uma da outra a meio do percurso. Talvez porque ambas evoluam em sentidos opostos a partir de determinada altura, e quando assim é nunca mais na vida os caminhos de ambos se voltam a encontrar. Bem pelo contrário, cada vez se tornam mais distantes.
Bjs.

Florival Pinto disse...

O Forum de Opinião está de volta após uma breve ausência.

Hoje pode ler

Menezes que fazer avançar regionalização em 2009

PSD defende IRC com taxa zero para empresas do interior

Pode ler em

http://forumdeopiniao.blogspot.com/

ÁRVORES DO SIMAO disse...

Olá, Caríssima Carla! Nem tanto vi palavras em desalinho, sondei outros textos de outras postagens, o que li foram versos, em variadas leituras, e me convenci de que são linhas ricas em poesia que dão formas a tantos outros "eus" submissos ao talento do narrador de Contos que os manuseia com coerência, harmonia e sabedoria. confesso que gostei bastante dos teus ensaios, poéticos narrativos.

Obrigado.

abraço, simao

Carlos disse...

Um Beijo Carla
Carlos

Cantinho dos devaneios disse...

Pois é, a praia é a mesma, mas o tempo é outro... há um abismo enorme entre esses dois momentos... às vezes basta um pequeno nada para que o abismo se retraia e se encha de novo, outras vezes é simplesmente tarde demais...

Carla disse...

Um momento
a verdade em forma de poesia
boa semana
beijos em desalinho

Carla disse...

anad
as imagens são uma outra forma de comunicação...
boa semana
bjs

Carla disse...

Muguet
talvez esteja a viver um momento similar a algum pelo qual tu já passaste
beijinhos e obrigada pelas tuas palavras

Carla disse...

herético
...e dorida também
boa semana
bjs

Carla disse...

Collybry
vida ao por de sol
boa semana
bjs

Carla disse...

Rey
apesar de melancólicas que consigam ser uma bálsamo para o teu dia
boa semana
bjs

Carla disse...

Art of love
concordo plenamente...é também essa a minha visão das coisas
boa semana
bjs

Carla disse...

Árvores do Simão
obrigada pelas palavras e pela visita
volta sempre
boa semana

Carla disse...

Sam
numa situação como esta há sempre duas saídas, a escolha depende de cada um de nós
beijos em forma de borboletas

Carla disse...

Knoppix
fico feliz por teres gostado...considera-a a minha prenda, depois dos presentes que me deixaste para o fim de semana (eheheheh)
boa semana para ti
bjs

Carla disse...

Black Kittie
...recomeçar tão difícil e ao mesmo tempo tão gratificante
boa semana e obrigada pela visita
bjs

Carla disse...

Cleo
tens toda a razão, mas sabes uma relação não pode ser unidireccional, se os dois não a alimentarem...
boa semana
bjs para todos

Carla disse...

Oliver
...há explicações que simplesmente não se encontram, outras quando se descobrem já é tarde demais
boa semana
bjs

Carla disse...

Pandora
obrigada. Volta sempre
beijos

Carla disse...

Florival Pinto
ainda bem que regressou...vou passar para ler
boa semana e bom regresso

Carla disse...

Carlos
outro

Carla disse...

cantinho dos devaneios
bela análise
boa semana
beijos

inespimentel disse...

Se eles conseguissem adormecer os pensamentos talvez o amor que os unia encontrasse o caminho do reencontro nos cheiros, nos toques, no olhar... é horrível ter um buraco negro e frio onde ontem se guardou um tesouro...

Carla disse...

inespimentel
mas é quase impossível adormecer os pensamentos, não é?
boa semana
beijos

ines disse...

o dançar das... borboletas!

:))))

Carla disse...

inês
...em ritmos variados...
bjs

Rui disse...

Sentiu as veias inchar, ainda que lhe não doesse. Quis impedi-las, mas as mãos não lhe responderam. Rebentaram-lhe a pele das pernas e enterraram-se no areal. Lentamente, milímetro a milímetro. E ele a ver e a nada poder fazer.
Hoje é uma árvore. À beira-mar. Fustigada pelo vento e pelo sal. Empedernida, contempla a linha do horizonte na esperança de a ver regressar. Por falta de coragem.

Carla disse...

Rui
obrigada pelo final que idealizaste para o meu conto...acredita que é também o meu
beijos

Meg disse...

Carla, finalmente estou de volta.
Tive de me ausentar e só hoje recomecei a visitar-vos para vos ler.

Um grande abraço

Rui disse...

Carla,

Não é um final. É apenas o inicio.

Carla disse...

Meg
bom regresso e boa semana
beijos

Carla disse...

Rui
será mesmo um início? Talvez, tendo em conta que o fim de algo é sempre o início de qualquer outra coisa...
independentemente do local onde situares a tua descrição em gostei imenso dela, quase como se conseguisses ler o pensamento!
bjs

desconhecido disse...

"Ele recuou até aos silêncios em que ela adormecia e acordava." ...

gostei*

beijos

Carla disse...

desconhecido
obrigada...até porque há silêncios que apaixonam e outros que adormecem!
beijos

EDUARDO disse...

Um amor de texto!! Obrigado por me dares esse prazer amiga!

JPD disse...

Gostei muito e vou voltar.

(Convite:
http://agaioladedarwin.blogspot.com

Zé Manel disse...

Queria não reconhecer estes momentos.
Quero não deixar que voltem a acontecer...

É o medo? De...

Por isso hoje digo, agora!
Eu quero, eu amo.

Seja o que for, é real para os dois, agora...

Zé Manel disse...

Gosto muito do que escreves.
Obrigado pelo teu comentário.

um beijo

Carla disse...

Eduardo
obrigada por o partilhares comigo
beijos

Carla disse...

JPD
obrigada pela visita e vou certamente passar pela tua "Gaiola".
beijos

Carla disse...

Zé Manel
é o medo...sem dúvida, mas que não nos pode impedir de viver!
e sabes que também gosto daquilo que escreves
beijos

Sr do Vale disse...

Carla, seus versos rodopiam dentro de mim.

Noslen ed azuos disse...

“Cansou-se ela dos silêncios culpados, abriu a porta e fugiu para a areia molhada. A fina camisa colou-se ao corpo cansado e os seios subiam e desciam no peito arfante.
Borboletas invisíveis dançavam no corpo liberto e ela acompanhava aquele ritmo de salsa rodopiando vezes sem conta sob si mesmo.”

O nome borboleta invisível me levou com elas...
Abração
NS

Carla disse...

Noslen ed azuos
é sempre bom voarmos com as borboletas
bjs